A Argentina não vencia o Equador na altitude de 2.850 metros de Quito há 16 anos, Sampaoli ainda não tinha triunfado no comando da Albiceleste em jogos oficiais e Lionel Messi só havia balançado as redes em Buenos Aires nessas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018.

O cenário era totalmente adverso no estádio Olímpico Atahualpa, mas quando se tem um dos maiores atletas da história do esporte, um jogador eleito cinco vezes o melhor do mundo, líder de esquadrões que marcaram época, nada parece ser impossível dentro das quatro linhas.

Na noite dessa terça-feira, o gênio argentino quebrou todos os jejuns, chamou a responsabilidade e, praticamente sozinho, colocou a Argentina no Mundial da Rússia com três gols na vitória por 3 a 1 da Argentina em cima dos equatorianos, que assistirão a Copa apenas pela televisão.

E como um bom filme de drama argentino, a situação, que já era complicada antes da bola rolar para os visitantes, se tornou pura tensão com o gol de Romario Ibarra logo aos 40 segundos de jogo. A feição de Mascherano ao perceber que a jogada era legal demostrou uma preocupação anormal entre os jogadores.

Mas, nem mesmo toda essa situação transformou o Equador em uma grande seleção. A fragilidade e os espaços, principalmente pela direita da defesa, eram notórios. E todos os argentinos pareciam chocados em campo, Messi, por outro lado, colocou a bola no chão e chamou a responsabilidade.

Primeiro, o craque do Barcelona tabelou com Di Maria pela ponta esquerda, e foi frio na frente de Banguera, com um leve toque por baixo das pernas do arqueiro. Tudo igual e bola embaixo do braço. Ainda havia pressa.

Não demorou, porém, e Messi de novo resolveu. Darío Aimar se assustou e falhou na frente do camisa 10, na entrada de sua área. Aí ficou fácil, um chute certeiro no alto e a virada estava consolidada.

Veio o segundo tempo e a Argentina, que já não vinha jogando um grande futebol, com a exceção de seu capitão, piorou ainda mais. O Equador se animou e partiu para cima, muito no embalo de seus torcedores, que queriam ter o prazer de complicar os adversários, já que não tinham mais chances de buscar uma vaga na Copa.

De novo tudo em vão. A Argentina pode viver uma crise histórica, mas Messi está alheio a tudo isso. Em um contra-ataque mortal, o craque limpou seus marcadores, não tocou para os companheiros livres e concluiu, mesmo apertado, por cobertura de Banguera. Um golaço, seu terceiro, o terceiro da Argentina, o da vitória, o gol da classificação para a Copa do Mundo da Rússia.

Depois de três vices seguidos nos últimos três anos (duas Copas Américas e um Mundial), uma aposentadoria revertida de Messi, aos trancos e barrancos, a Argentina conseguiu evitar o fiasco de 1969, quando se viu fora de uma Copa pela última vez, e encontrar forças para conquistar sua vaga direta na terceira colocação das Eliminatórias Sul-Americanas, com 28 pontos. Ao Equador, que chegou a liderar a competição, restou a oitava colocação, com 20 pontos.

Fonte: Cidadeverde.com por Gazeta Press

COMPARTILHAR

Comentários no Facebook

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here