A simplicidade da piauiense Lais Ribeiro, 27 anos, é contagiante. Isso é percebido logo que você chega perto dela. Não é só visivelmente, mas em sua ações e atitudes. Lais já foi flagrada em parada de ônibus pegando transporte para Miguel Alves ( sua cidade natal que fica a 110 km de Teresina). Sempre que pode visita a cidade. Este ano, ela poderia estar em qualquer réveillon, mas preferiu passar a virada do ano em Miguel Alves com a família.

Em passagem por Teresina, Lais conversou com o site Cidadeverde.com. Contou da emoção de ser escolhida a modelo para usar a “fantasy bra”, sutiã milionário avaliado em R$ 6,5 milhões. 

Ela passará o réveillon no Piauí, e garante que retornar o Estado é sempre “gratificante”.

Ouça trechos da entrevista que foram ao ar na Rádio Cidade Verde:

Veja entrevista: 

O ano de 2017 ficou marcado por seu desfile com o sutiã avaliado em US$ 2 milhões (cerca de R$ 6,5 milhões) no tradicional e badalado desfile anual Victoria’s Secret. O que representou para você esse momento? Foi o mais importante da sua carreira?

Com certeza foi uma surpresa, não esperava. Dentre todas as meninas, num total de 60 que desfilaram este ano, ser escolhida para a usar a peça foi emocionante (quem viu o vídeo sabe que eu chorei muito quando recebi a notícia). Foi um sonho realizado, já que todas nós temos as mesmas qualidades, trabalhamos muito, nos alimentamos bem para manter o corpo, nos esforçamos para ser aquela, mas eu realmente nunca esperei. Não sabia nem o que falar, quando me disseram, tanto que ainda hoje continuo me emocionando. Tenho certeza que foi a coisa mais importante na minha carreira até agora.

Você faz parte de um time de supermodelos que desfilaram com aquela lingerie, que é uma joia. O que muda?

Sim, isso mesmo. Ao longo desses 23 anos de Victoria’s Secret, acho que foram 23 que usaram a peça, sendo quatro negras, inclusive no ano passado foi a Jasmine, que é uma das minhas melhores amigas lá dentro. Então, é uma honra muito grande representar o Brasil, o Piauí e as negras brasileiras.

Depois do Fantasy Bra, qual o impulso que essa joia deu para sua carreira em termos de visibilidade? Modelos mais respeitadas no mundo todo…

Justamente por isso, a Victoria’s Secret passa em mais de 190 países do mundo inteiro, então a visibilidade realmente é muito grande. Ser angel, algumas pessoas admiram umas mais que as outras, mas a oportunidade de ter o Fantasy Bra e várias pessoas começarem a mudar o foco e saber quem é você foi incrível. Um divisor de águas. Com certeza, uma página que virou na minha carreira.

Isso não gera um certo desconforto entre as outras?

Não, não. Claro que, às vezes, têm uns desentendimentos aqui, ali. Mas, somos um grupo muito unido, muitas viajam juntas de férias. Ano passado mesmo eu trouxe a Jasmine Tookes e a Romee Strijd para o réveillon em Trancoso, na Bahia. Esse ano, elas queriam vir novamente, mas eu disse que iria para Miguel Alves, com minha família.

Como você vê a eleição da piauiense Monalysa Alcântara como Miss Brasil? E como você avalia o desempenho da piauiense na passarela do Miss Universo?

Achei muito justo, o pouco que acompanhei e falei com ela e a reação das pessoas achei muito lindo o conjunto que ela trouxe para o concurso. Não basta ter só beleza, mas se não tivermos um conjunto, não adianta. Ela é super esforçada, se preparou muito e estudou, inclusive, inglês para ir para o concurso. Muitos fãs piauienses me pediram apoio nas redes sociais e eu fui lá no instagram dela, dei o maior apoio e sempre estive na torcida.

Você acumula trabalhos para as maiores grifes mundiais, como Victoria’s Secret, Tom Ford, Balmain, Chanel e Louis Vuitton. Em algum momento da sua vida imaginou isso?

A gente nunca pensa, né? É muito difícil saber o que o futuro te reserva. São muitas realizações este ano. O  ano de 2017 foram muitas coisas importantes, principalmente Fantasy Bra e ainda vai vir, graças a Deus. 2018 já temos vários planos. Mas, foi um ano que acho que não supera nenhum outro em minha carreira.

E já tem uma história da Laís começar a flertar com joias?

Sim, sim. Já temos um plano muito lindo, uma colaboração. Já venho trabalhando com esse designer há quatro anos, ele sempre me fornece todas as joias para ir aos eventos. A ideia partiu dele mesmo de uma colaboração e se desse certo a parceria continuaria. Está no papel, mas daqui pro meio do ano as joias já estarão disponíveis. Por enquanto, só internacional e uma edição limitada, mas dependendo da demanda e como se sair, a gente pretende continuar.

Você tem uma forte ligação com sua família e está sempre visitando seus parentes em sua terra natal, Miguel Alves. Qual a importância da família para você?

Minha mãe voltou ao Piauí, porque meu filho estava ficando muito mimado e hoje moro com minha irmã e meu filho, Alexandre. Mas, o apoio da minha mãe foi fundamental para eu levar meu filho para Nova York e hoje minha irmã também mora comigo.

Sempre que pode está visitando Miguel Alves, onde tudo começou. Como é quando você chega lá?

Nunca mudei hábito nenhum, claro que muda a tietagem das pessoas que admiram meu trabalho e tudo mais, mas as mesmas coisas que faziam antigamente tento continuar fazendo, com a maior naturalidade. Continuo fazendo todas as coisas que sempre fiz lá, andando de moto, sentando no barzinho, conversando com amigos. Para mim, é sempre gratificante voltar as minhas origens.

Algum sonho que espera realizar em sua carreira?

Tenho vários. Sempre querendo mais! Já fiz editorial para a Vogue América, mas uma capa seria uma outra página que viraria na minha carreira. Particularmente, no momento, estou focando na Maxximum, aquela revista que já fiz editorial e tudo mais. Estou focando na alimentação, na malhação para que possa ser a número 1 e quem sabe um dia estampar a capa da revista.

Quais os segredos para manter a boa forma?

Graças a Deus meu metabolismo é muito bom, mas a malhação sempre será pesada. Sempre que viajamos, temos um treinador, ele e a mulher, que sempre viajam com a gente, porque geralmente a gente não pode ir para a academia e eles treinam com a gente no hotel. Quando chego em Miguel Alves, tudo muda. Muito banho de rio, piaba frita e cervejinha, mas quando volto para Nova York, a rotina de treinos é pesada. Depois do dia 3 não terei mais essas regalias.

Uma dica para as meninas que sonham com a carreira de sucesso de uma modelo?

É muito difícil falar siga uma coisa, que não foi assim que aconteceu comigo. Aconteceu tudo muito rápido. Estava ali, no momento certo, tinha todas as qualidades para estar ali e falaria para elas terem muita paciência e persistência que um dia, se realmente tiver de ser, será.

Próximo ano é ano de eleição, qual o conselho que a Laís Ribeiro, que é bastante atuante nas redes sociais e politizada, daria paras as pessoas que estão bem desesperançosas com o futuro do Brasil?

As pessoas têm que, literalmente, colocar a palavra democracia em ação. Nós somos a voz e eles têm que nos ouvir. Nós temos o poder e quando as pessoas começarem a entender isso, o Brasil vai pra frente.

Assista entrevista:

Fonte Cidadeverde por Por Péricles Mendel
COMPARTILHAR

Comentários no Facebook

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here