Sob gritos de “mito”, o candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, anunciou neste domingo (5) o general Hamilton Mourão como vice em sua chapa.

O anúncio, feito em um clube no Jaçanã (zona norte de SP), foi para um público formado por pessoas com camisetas com o rosto de Bolsonaro, trajes com estampas militares e com bandeiras nacionais e do estado.

O capitão do Exército foi recebido por uma bateria de escola de samba e um homem fantasiado de Capitão América.

Mourão terá seu nome oficializado na tarde deste domingo em convenção do PRTB. A assessoria do partido enviou nota confirmando a indicação do oficial da reserva para vice e, segundo o partido, Bolsonaro estará no evento.

Nos poucos trechos audíveis do discurso de Bolsonaro, em sua maioria incompreensível por problemas no som, ele elogiou outros cotados para o cargo, como o general Augusto Heleno.

Além disso, fez ataques à “esquerdalha” e ao establishment político. “Eles podem ter televisão e o dinheiro, mas só nós temos o povo do nosso lado”, disse.

Jair Bolsonaro fez um discurso voltado para policiais e entusiastas de armas. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

Bolsonaro subiu ao palco acompanhado dos filhos Flávio e Eduardo. Também estava o ex-ator Alexandre Frota, candidato a deputado federal pelo PSL, que se tornou um dos nomes da direita mais influentes da internet.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro foi o primeiro da família a discursar e fez um discurso voltado a policiais e entusiastas de armas. “Sabe por que nossos policiais morrem? Porque se eles atirarem eles sabem que vão responder um processo”, disse.

“O Estatuto do Desarmamento não melhorou a vida de ninguém. Vocês querem que o presidente mude esse estatuto”, questionou, para ouvir um grande sim da plateia. Em um auditório lotado, o público entoou cantos homenageando Bolsonaro durante toda a convenção.

“Lula na prisão, Bolsonaro é capitão”, gritavam. No auditório, havia policiais e movimentos como Direita São Paulo e Direita Sorocabana.

O deputado federal Major Olímpio (PSL) afirmou que a escolha do vice foi uma decisão de Bolsonaro, que deve ser confirmada na convenção do PRTB na tarde de hoje. “Não é pelo tempo de televisão, que o PRTB tem 4 segundos. Deve ter pesado o momento para apresentar o mais uníssono possível o plano de governo. Acho que casou mais essa figura do Mourão”, afirmou o parlamentar.

Cotado para ser o vice, o príncipe Luiz Philippe de Orléans e Bragança, que teve o nome gritado por militantes durante a convenção, deve ser ministro das Relações Exteriores em um eventual governo. “A função de Relações Exteriores é natural a mim. Agora a decisão de um pelo outro, eu não sei, é uma questão interna do partido”, afirmou.

Ele disse ainda que não ficou frustrado com a decisão de Bolsonaro. “Não, porque o cargo não era meu para eu desejar este cargo”, disse.

Antes de a convenção começar, o deputado Major Olímpio, que é presidente estadual do PSL e candidato ao Senado, afirmou que o partido compensará a falta de estrutura com ajuda de agentes de segurança e voluntários, como atiradores, caçadores e participantes de motoclubes.

Ele admitiu, porém, a dificuldade de atrair quadros competitivos para o partido. “Quem vai querer vir para um partido que tem oito segundos de TV e não usará o fundo eleitoral?”, afirmou.

Entre os que aceitaram ser candidatos pelo PSL, está Luiz Carlos de Paula, que chegou à convenção vestido de Capitão América. “Eu sou policial militar e me identifico totalmente com os ideais do Bolsonaro”, disse.

Ele estava acompanhado de outras pessoas fantasiadas de heróis, como Batman e Homem-Aranha. O grupo informou que faz ações de apoio a crianças com câncer.

Fonte: Portalodia.com por Folhapress

COMPARTILHAR

Comentários no Facebook

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here